27/03/2017

SIDE STRIPE PANTS



Precisava de uma semana para mim, daí nos últimos dias ter estado totalmente off do blogue (eu sei que vocês entendem). ☺ Esta semana prometo que vai ser diferente e, para começar, um look com umas calças de listras laterais que adoro. Sabem que esta foi uma das principais tendências deste Outono/Inverno, mas não foi fácil encontrar umas que me convencessem. Contra todas as expectativas, encontrei este modelo com a listra em amarelo já no fim dos saldos da Zara e tenho usado bastante desde então.

Aqui, decidi usar o truque da sobreposição e gostei do resultado, porque me revejo muito. Sou eu, sinto-me confortável e isso, para mim, é o mais importante num look.


As peças são todas Zara de colecções passadas, excepto os botins, que são Massimo Dutti desta temporada. 










Espero que gostem!!

20/03/2017

COMO ME MANTENHO (MAIS OU MENOS) FIT

Por aqui falamos muito de tendências. Do mais natural, sendo este um blogue mais focado em moda. No entanto - e tenho esperança que já tenham notado -, há algum tempo que venho tentando dar-lhe um conceito mais abrangente. Por nenhum motivo em especial, apenas porque me tem apetecido falar de outros interesses meus e que vão muito para além de roupa e sapatos. Gosto de falar-vos de televisão, de cinema, de música, de receitas, de decoração. Do meu rol de paixões. Sabem aquela pessoa de paixões? Sou eu. Quando gosto, vibro mesmo e quero partilhar, quero falar, quero comentar. E o My True Options tem reflectido isso, as minhas paixões, e é assim que quero que continue.


Hoje, mais uma estreia. Vou falar-vos daquela que eu diria ser uma das tendências mais fortes e com mais adeptos da última década. Falo dos conceitos do "be fit" e "be healthy", ou seja, estarmos com tudo no sítio e ainda gozarmos de plena saúde. Como qualquer tema da actualidade, trending topics nas redes sociais, teríamos aqui um bom motivo de discussão, no entanto, o que pretendo mesmo com o post é partilhar com vocês algumas práticas que me ajudam (acredito) a levar uma vida relativamente saudável. Sem fanatismos nem fundamentalismos. 



ALIMENTAÇÃO



Já aqui falei que tenho cuidado com aquilo que como desde os meus 14 anos. Tenho tendência a níveis altos de triglicéridos, o que me levou a ser seguida até aos 20 anos pela equipa de nutricionistas pediátricos do Hospital São João. Foram anos e anos de "lavagem cerebral", daí que estou mais do que habituada a ler rótulos e a saber aquilo que me faz bem e aquilo que não devo comer. Por sorte, lá em casa os meus pais sempre nos habituaram a uma alimentação bastante equilibrada, o que ajudou neste processo. Por isso mesmo, e sem quaisquer fundamentalismos, posso dizer que:


  • Refrigerantes e néctares estão completamente fora da minha dieta diária, tal como bolos, bolachas e todo o tipo de pastelaria, principalmente a industrial. Já a caseira, ocasionalmente.
  • Enlatados e congelados, o menos possível. 
  • Produtos edulcorados e os chamados "light", nem vê-los! 
  • Dou sempre prioridade a produtos frescos, frutas e legumes de todo o tipo (gosto de quase tudo), adoro feijão e grão de bico, como carne, mas prefiro peixe, principalmente ao jantar. 
  • Como muitos cereais (flocos de trigo sempre), como nozes, avelãs e amêndoas, como presunto (ibérico), evito fiambre (mesmo de perú) e quando compro, prefiro o da perna, porque é o que contém mais % de carne na sua elaboração. 





  • Iogurtes, naturais, sempre. Nada de edulcorados, nem tipo grego. Sabem muito bem mas têm nata e muita gordura. Mel em vez de açúcar, mas prefiro açúcar a qualquer tipo de edulcorantes. Adoro gelatina, mas da que se faz em casa, não a que já vem pronta a comer e sempre da marca Royal. Queijo adoro, de todos os tipos, e não abdico deles, mas diariamente dou prioridade aos frescos ou aos baixos em gordura. 
  • Como chocolate preto todos os dias, aliás, o chocolate é o meu ponto fraco. O de leite é o meu favorito, mas diariamente, evito. Outro ponto fraco são os gelados, que tento comer ocasionalmente, principalmente os de gelo. 
  • Não como fritos, assados muito raramente, mas como estufados, cozidos e grelhados. Como arroz e como massa, como batatas, embora com moderação. A única gordura que utilizo para cozinhar é azeite extra virgem. 
  • Fast food, quase nunca (podem contar-se pelos dedos as vezes que vou num ano). Já pizzas, não resisto de vez em quando, mas sempre confeccionadas com alimentos frescos, nunca congeladas.
  • Não sou adepta da moda das sementes. De vez em quando como aveia misturada com os cereais. 
  • Como canela todos os dias, seja no leite, seja no chã, seja no arroz doce ou leite creme, aqueles doces caseiros que não me importo de comer ocasionalmente.
  • Não bebo álcool diariamente, não bebo café.


Como disse em cima, não sou nada fundamentalista. O que vos conto é o que tento fazer diariamente, no entanto, ao fim-de-semana e em dias de festa faço a minha cota parte de "desvios". O importante é que esses "desvios" sejam a excepção e não a regra. Acima de tudo, para mim, o principal é ter uma dieta equilibrada, onde entram proteínas, frutas e verduras, hidratos e gorduras saudáveis. 


NATAÇÃO


Já andei em ginásios e nunca gostei. Detesto máquinas, detesto aulas de grupo. Já nadar, sempre foi a minha "praia". Toda a gente sabe que a natação é o desporto mais saudável e completo que existe, no entanto, eu faço-o por prazer, seja na piscina, seja na praia. Para não falar do bem tremendo que faz à mente. É incrível como nos podemos sentir relaxados debaixo de água, o estarmos só nós e os nossos pensamentos, a ouvir apenas o som das braçadas. E quando estou sozinha na piscina, aí é o cúmulo do prazer. Nado durante uma hora, três vezes por semana. Mais do que um desporto, é um vício do qual não consigo abdicar. ADORO ADORO E ADORO! Para não falar de todo o equipamento de natação. Há pessoas que são viciadas em roupa de ginásio, eu sou viciada em acessórios para nadar. Adoro fatos de banho, toucas, óculos e afins. E adoro estar gira na piscina. Se também são fãs de natação, deixo alguns items que me inspiram.



CAMINHADAS


Não suporto running. Só corri uma vez na vida, a prova dos 10 km de Barcelona, e embora tenha chegado ao final, tive de fazer uma cruz. É um desporto de alto impacto e penso que muita gente se esquece disso. É preocupante esta ideia generalizada de que todos podem correr. Não podem, e eu sou o exemplo. No entanto, adoro caminhar. Sou capaz de andar horas e horas sem me cansar. Mas o que faço diariamente são pequenas caminhadas de 30 ou 45 minutos, em passo acelerado, com alguns exercícios pelo meio. Mar, música relaxante nos ouvidos e uma boa caminhada. Para mim, não existe melhor.



BICICLETA

Desde criança que adoro uma bicicleta. Hoje em dia, e com muita pena minha, só ando ao fim-de-semana já que por razões logísticas, todo o equipamento se encontra na minha outra casa, para onde vou quase todas as sextas-feiras. Mas sempre que estou lá, tento pegar na bicicleta ao sábado de manhã e andar pelo menos uma hora. É óptimo para as pernas.



E assim de repente, é tudo! ☺


ATÉ AO PRÓXIMO POST!!

16/03/2017

DESEJO



Não fosse custar quase 300€ e este macacão seria meu de certeza. É da UTERQUE, é em pele e, para mim, está fora de questão investir tanto dinheiro numa peça tão tendência. 

Mas que é de sonho e que é a minha cara, disso não tenho a mais pequena dúvida. ❤



14/03/2017

IN LOVE



A música mais perfeita dos últimos tempos. ❤ 

Do tipo, como pode ser tão linda? É de Michael Kiwanuka, um cantor britânico que mistura genialmente os estilos folk e soul, dois dos meus géneros musicais favoritos!

A música chama-se Cold Little Heart e pertence ao genérico de Big Little Lies, a série do momento da HBO, com Nicole Kidman e Reese Witherspoon. Aliás, eu diria que um dos trunfos da série é mesmo a banda sonora! TOP TOP TOP!


13/03/2017

20TH CENTURY STYLE ICONS | ROBERT REDFORD



Já tinha saudades deste tema aqui no blogue. Depois de Jackie Kennedy, Grace Kelly e Brigitte Bardot, achei que seria engraçado falar de um homem que também deixou a sua "pegada" de estilo no século passado (e continua a deixar nos dias de hoje). E a minha escolha não poderia ser outra senão o grande, o senhor-cheio-de pinta Robert Redford. O último galã vivo dos grandes galãs.

Perguntemos às nossas mães ou avós quem era o homem mais atraente das décadas de 60, 70 e 80 e certamente a resposta será unânime. Para além de um carisma e beleza fora do comum, Redford tinha o dom de tornar tendência tudo aquilo em que tocava. Por isso mesmo, há décadas que tem assegurado um lugar no Olimpo dos homens com mais estilo de sempre.




A Juventude e o Êxito no Cinema

O início não foi fácil. Filho de emigrantes irlandeses, viu-se órfão de mãe ainda antes de completar os 20 anos, o que acabaria por ditar uma juventude rebelde e repleta de excessos. Durante um ano - entre 1956 e 1957 -, viajou pela Europa e experimentou uma vida de artista itinerante da qual regressou totalmente desiludido. Já nos EUA, uma depressão fá-lo cair nas garras do alcoolismo, um vício do qual só se consegue livrar quando conhece Lola van Wagenen, uma universitária católica de classe média com quem se viria a casar pouco tempo depois.


Redford com Lola van Wagenen, com quem esteve casado 27 anos anos e de quem teve quatro filhos, o primogénito falecido pouco tempo depois de nascer, por morte súbita. Um episódio triste que marcou profundamente o actor.


A fama de sex symbol, era apenas isso, fama. Robert Redford sempre levou uma vida sentimental muito discreta e distanciada das câmeras. Inclusivamente, o divórcio da primeira mulher, em 1985, só foi tornado público mais de uma década depois. Desde 2009 que está casado com a pintora alemã Sibylle Szaggars. 



Voltando aos inícios de vida do actor, a influência da primeira mulher foi de tal forma positiva para Redford, que em 1958 decide matricular-se numa escola para estudar arte. Foi aí que começou a ter aulas de interpretação, embora o trabalho de actor nunca tenha sido uma prioridade. 

Em 1962, com a peça Barefoot in the Park, converte-se numa estrela da Broadway, o que acaba por ser a rampa de lançamento de uma carreira de sucessos em Hollywood

É com a versão cinematográfica da obra Barefoot in the Park, em 1967, que chega finalmente o reconhecimento mundial para Robert Redford. Este filme marca, também, a primeira das várias vezes em que veremos o actor e Jane Fonda juntos no grande ecrã.   



Nas décadas seguintes, Redford consolida-se como estrela de Hollywood, mas é como realizador que consegue a maior parte das nomeações a prémios importantes do cinema, como são os Óscares ou os Globos de Ouro. Nos últimos anos tem preferido trabalhos mais esporádicos e papéis secundários. No entanto, em 2017 vamos poder vê-lo novamente junto a Jane Fonda no filme Our Souls at Night, onde contracenará, também, com Matthias Schoenaerts (aquele que já sabem, é um dos meus actores favoritos).  


Com o amigo inseparável Paul Newman, formaram uma das duplas mais inesquecíveis do cinema mundial, tendo partilhado algumas vezes o grande ecrã. Aliás, é com o filme The Sting, que os dois protagonizam, que Redford consegue a única nomeação aos Óscares como actor. Durante décadas, partilharam também o posto de sex symbol "made em Hollywood" e gravaram os seus nomes com letras de ouro no firmamento da meca do cinema. 




Embaixador do Estilo "Casual Americano"

Antes de ter imortalizado aquele que hoje conhecemos como o estilo "casual americano masculino", Robert Redford já surgia impecável em fatos Ralph Lauren no filme The Great Gatsby. Um papel que vimos recentemente ser confiado a Leonardo Dicaprio na adaptação ao cinema de 2013, mas sem metade da pinta de Redford, digo eu! ☺ 

Robert Redford em 1974 e Leonardo Dicaprio em 2013. Duas versões do enigmático personagem de literatura Jay Gatsby.



Foi a partir deste filme que Redford se consolidou como um ícone de estilo a nível mundial. À parte dos fatos de corte perfeito, que combinava genialmente com uns óculos de sol Ray Ban aviator espelhados, o actor deixou a sua marca com os looks compostos de jeans, blazers escuros e botins. Mesmo quando usava camisas de xadrez e casacos de pele de carneiro, Redford sempre se preocupou com os detalhes e nunca deixava de lado o seu Rolex.

Para além do estilo casual, outra das imagens de marca do actor é a cabeleira loira e farta, sempre penteada de forma despretensiosa e com um ar muito natural. Um hair style que, de resto, o actor mantém até hoje.



Durante os seus quase 81 anos, Redford foi três vezes capa da TIMES, a revista mais desejada pelas celebridades mundiais. A última foi em 2014, quando o actor foi eleito uma das pessoas mais influentes do planeta. 



No século passado, e mesmo hoje em dia, foram muitos os ícones que se destacaram, no entanto, ninguém, na sua melhor época, conseguiu superar Robert Redford no que ao estilo diz respeito.  



O Grande Legado: Festival de Sundance


Aos seus quase 81 anos (fá-los em Agosto), Robert Redford pode gabar-se de vários feitos, mas um dos mais importantes, senão o mais importante, foi o de ter criado em 1980 o Instituto Sundance, um centro de apoio para jovens cineastas e que pretende promover o cinema independente. Um projecto criado a custo próprio e sem quaisquer apoios que deu origem ao que hoje conhecemos como Festival de Cinema de Sundance. Este evento internacional, que se celebra desde 1983 na cidade americana de Park City, é uma mostra anual de cerca de 200 trabalhos cinematográficos seleccionados entre mais de 9000 candidaturas. O curioso é que o nome da escola e do próprio festival surgiram do filme que em 1969 protagonizou com o seu grande amigo Paul Newman e que se intitulava The Sundance Kid.

Robert Redford na edição do Festival de 2016. 




Vou ficar por aqui. 

Espero que tenham gostado desta versão masculina do 20th Century Style Icons aqui no blogue!

Se quiserem deixar sugestões para os próximos, não hesitem!!

BEIJOO!